Indicadores

R$ 1.045,00

b_sal_reg
R$ 1.294,34
b_sal_fam
R$ 46,54 (para quem ganha
até R$ 907,77)
R$ 32,80 (para quem ganha
de R$ 907,77 até R$ 1.364,43)
R$ 0,00 (para quem ganha
acima de R$ 1.364,43)
b_desc_inss
Salário até R$ 1.045,00
desconto 7,5%
De R$ 1.045,01 até R$ 2.089,60
desconto de   9%
De R$ 2.089,61 até R$ 3.134,00
desconto de   12%
De R$ 3.134,41 até R$ 6.101,06
desconto de   14%
Teto do salário de contribuição
R$ 6.101,06
 
 

 banner-informativo-75

saude-trabalhador

 

confira-resultados-pre-olimpico-2019

PostHeaderIcon SINTICAL LANÇA CAMPANHA PELA SAÚDE DOS TRABALHADORES DE FRIGORÍFICOS EM SANTA MARIA

Manifestação no Frigorífico Silva IV

“A carne mais barata do frigorífico é a do trabalhador”. Essa é a chamada principal da campanha deflagrada em todo o Brasil que o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas da Alimentação de Santa Maria e Região – SINTICAL lançou nesta quinta-feira, três de setembro. A campanha é uma parceria entre Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores da Alimentação – Contac-CUT, Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins – CNTA e Regional Latinoamericana de la UITA - REL-UITA, que denunciam a resistência das grandes empresas, com raras exceções, em adotar medidas de proteção à Covid 19 enquanto aumentam consideravelmente seus lucros durante a pandemia.


Manifestação no Frigorífico Silva IIIO lançamento da campanha foi também uma manifestação da posição do SINTICAL, no enfrentamento do surto pandêmico que ocorre no Frigorifico Silva, empresa de carnes de Santa Maria que possui cerca de mil funcionários.
A direção do Sindicato registra que a entidade foi uma das primeiras instituições a sugerir protocolos e orientações para as empresas de alimentação. Em 21 de março, a direção do SINTICAL reuniu-se e já em 23 do mesmo mês divulgou as medidas e protocolos para enfrentar a pandemia, seguindo uma ordem de prioridades:
A saúde dos trabalhadores;
Manutenção dos empregos e viabilidade das empresas;
A Remuneração, sem perdas.
O diretor do SINTICAL, Valdemir Corrêa, destaca que até mesmo o Banco de Horas, que é uma questão continuamente contestada pelo Sindicato, foi colocado em pauta. Algumas empresas seguiram as recomendações e até afastaram funcionários dos grupos de risco, como idosos, gestantes, portadores de doenças crônicas, entre outros, mantendo a remuneração do emprego. Esse também foi o caso do Frigorífico Silva, que acatou várias das recomendações e manteve ações positivas de cuidados na empresa.
Diante da preocupação com o surto em outras empresas do setor no estado e no país, o Sindicato passou a solicitar atualização semanal de dados do Frigorifico Silva. Até a primeira quinzena de agosto havia um cenário controlado, explica Corrêa; porém, a testagem em massa, somente foi realizada na semana passada, e constatou o surto.
Segundo Corrêa, “o SINTICAL reconhece que o frigorífico cumpriu orientações da Vigilância Sanitária, do MPT e da Secretaria de Saúde; entretanto, exige que não haja omissão de dados”. Frente a esta situação, o diretor informa que a direção do Sindicato solicitou reunião com a direção do frigorífico, na última segunda-feira, dia 31 de agosto, todavia, somente no dia de ontem, durante a manifestação, os dirigentes sindicais foram recebidos.
O diretor informa ainda que, entre os trabalhadores do frigorífico citado, não houve casos graves; contudo, salienta a preocupação do Sindicato e a necessidade de diálogo por parte das empresas. Junto com as entidades que organizam a campanha, afirma: “entendemos que os frigoríficos integram os serviços essenciais de abastecimento da população, mas o lucro não pode se dar ao custo da saúde dos trabalhadores, como reiteradamente defendem governos e empresas mais voltados aos interesses econômicos”.