Indicadores

R$ 1.045,00

b_sal_reg
R$ 1.294,34
b_sal_fam
R$ 46,54 (para quem ganha
até R$ 907,77)
R$ 32,80 (para quem ganha
de R$ 907,77 até R$ 1.364,43)
R$ 0,00 (para quem ganha
acima de R$ 1.364,43)
b_desc_inss
Salário até R$ 1.045,00
desconto 7,5%
De R$ 1.045,01 até R$ 2.089,60
desconto de   9%
De R$ 2.089,61 até R$ 3.134,00
desconto de   12%
De R$ 3.134,41 até R$ 6.101,06
desconto de   14%
Teto do salário de contribuição
R$ 6.101,06
 
 

 banner-informativo-75

saude-trabalhador

 

confira-resultados-pre-olimpico-2019

PostHeaderIcon DIA INTERNACIONAL DA MULHER

 

8-marco-2020No Brasil e em todo o mundo as mulheres mostraram, no dia 8 de março, que a luta é diária e intensa e que elas não vão parar enquanto houver desigualdade e violência na vida pessoal e no mundo do trabalho.

Pela vida das mulheres e contra a destruição das políticas públicas
Fortalecendo as manifestações do Dia Internacional da Mulher, a direção do SINTICAL parabenizou e homenageou as trabalhadoras da categoria da alimentação com entrega de brindes em várias empresas da região.
Durante os encontros com as trabalhadoras foi destacado o difícil momento vivido pela população brasileira, em especial as mulheres, sobre as quais pesam a violência na vida pessoal e no mundo do trabalho. Além do feminicído, que torna o Brasil o quinto país mais violento contra a mulher em todo o mundo, segundo a ONU, as mulheres sofrem os duros efeitos das reformas trabalhistas e previdenciária e enfrentam o desemprego, serviços precários, a tripla jornada e baixos salários.
Dessa forma, o Dia Internacional da Mulher é um momento importante para exigir políticas públicas efetivas para combater a violência contra a mulher e denunciar a política econômica que desmonta o SUS, a educação e os demais serviços públicos, a privatização das empresas estatais e os ataques aos direitos trabalhistas e previdenciários que comprometem decisivamente as condições de vida da maioria da população.
Por isso, as mulheres brasileiras, assim como em centenas de países, mostraram, no dia 8 de março, que a luta é diária e intensa e que elas não vão parar enquanto não tiverem seus direitos reconhecidos, como destaca a Secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Junéia Batista. Em artigo ela defende a Resistência coletiva como pressuposto para enfrentar o Estado opressor e seguir firmes na luta em defesa do Estado de Direito com democracia plena, por uma sociedade antirracista, anticapitalista e antipatriarcal.

89103194 1050179462011536 5563779087111028736 o 89242344 1050179102011572 8360263552308609024 o

89343023 1050178698678279 115931273377087488 o 89352141 1050179692011513 6307712472690196480 o


Veja a seguir o artigo na íntegra:

Dia Internacional de Luta Pelos Direitos das Mulheres – 8M
Com o lema da Resistência, em defesa da Democracia, dos Direitos e Fora Bolsonaro, o 8 de março foi dia de denunciar a violência que mata todos os dias milhares de mulheres – 1.314 vítimas só em 2019 -, em todas as regiões do país, e também o descaso do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), que desdenha da grave e trágica situação zerando os investimentos para a proteção e combate à violência. Delegacias da Mulher, Casas da Mulher Brasileira, praticamente deixaram de existir, ao mesmo tempo em que segue incentivando a violência.
O Dia Internacional de Luta pelos Direitos das Mulheres deste 2020 levou milhares de mulheres de todas as etnias, idades e origens, às ruas do País. Nas capitais e grandes cidades de todas as regiões, foram realizadas manifestações.
A defesa da Democracia e das políticas públicas de saúde, educação e assistência se somaram as denúncias da misoginia, do racismo, do feminicídio e estupros, que vitimizam milhares de mulheres e meninas diariamente. Esse quadro torna o Brasil o 5º no ranking dos países mais violentos do mundo para as mulheres. As violências são praticadas pelo Estado ou sob a sua conivência e pela sociedade, uma verdadeira epidemia credenciada pela misoginia e o ódio de muitos governantes.

89357175 1050178892011593 2528106604709019648 o  89380096 1050179838678165 4198286362396327936 o

 

89552204 1050178502011632 4721316630615818240 o 89563577 1050179288678220 5020518015393857536 o
Assim como mulheres do mundo todo, por aqui denunciamos as discriminações no trabalho – informalidade, desocupação, e quando ocupadas, recebendo menos que os homens, em média 22%, mesmo exercendo a mesma função. No caso das mulheres negras a discriminação é ainda maior e pode chegar a uma diferença de até 70% menos que um homem branco. Até mesmo na aposentadoria recebemos em média 17% menos.
Soma-se a isso, a ausência do Estado na garantia de políticas do cuidado, a exemplo da creche e escola integral, do cuidado com doentes e idosos, o que leva milhares de mulheres a serem preteridas no trabalho remunerado. Segundo pesquisas, esse trabalho do cuidado, não pago, exercido pelas mulheres responde, em média, a 11% do PIB. Ou seja, a superexploração das mulheres gera riquezas.
As mulheres, em especial as trabalhadoras, não têm o que comemorar, mas muita luta a fazer. Nosso desafio é nos manter mobilizadas e retomar ou construir pontes de diálogo com os diversos movimentos sociais potencializando a Resistência contra as investidas dos governos federal, estaduais e municipais (em sua grande maioria) e o parlamento, que retiram direitos e destroem políticas e programas existentes de combate à miséria, as quais as mulheres são as principais vítimas.
Para nós, mulheres da CUT, a Resistência coletiva é pressuposto para enfrentar o Estado opressor. Nos manteremos despertas e firmes na luta em defesa do Estado de Direito com democracia plena, por uma sociedade antirracista, anticapitalista e antipatriarcal, pois Resistência tem nome de Mulher.
Junéia Batista
Secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT